Marília_Freijó_Apresentação - Pausas e vírgulas

Pausas e vírgulas
Parou?...Parou por quê?
Quem, eu..? Imagina...
Vírgula !
Pausas e vírgulas
Ir para o conteúdo
LITERATURA > 2_Poesia_P > 2c_Marília
LITERATURA > Poesias >  Apresentação >  Marília Freijó
Sou Marília Feijó, a caminho da Arte

Uma breve pausa, (e uma vírgula claro) para
me apresentar.

Falar sobre mim é fácil, porque sou uma pessoa comum.
Filha de uma mãe amorosa, de um pai dedicado que já partiram há alguns anos e amiga de alma de dois irmãos que me cuidam como se eu fosse algo raro...
Também sou mãe de uma filha linda, que só me dá alegrias e me presenteou com uma neta amada.
A arte vive em mim, desde que nasci.
Adolescente, escrevia poemas de amor, fazia artesanato e fotografava muito. O tempo passou e eu continuei
como sempre, escrevendo, criando, gravando e vivendo do meu jeito, sempre com fé e com a certeza que os
artistas são intuídos pelos guias espirituais, no amor, na harmonia e na verdade."
E como me preparei para esse trânsito a caminho da Arte?
 
Só um instante, preciso me organizar pra ser completa e sucinta...Pequena pausa...
 
Sei...agora é momento do meu curriculum...
Meu nome é Marília Feijó, formada em arquitetura, poetisa, artesã, sonhos que se casaram com outro sonho realizado em 2007, quando me graduei no Curso Superior Tecnológico de PRODUÇÃO AUDIOVISUAL e CINEMA da Ulbra. Fiz três pós-graduações de 2008 à 2012, Especialização em Cinema na UNISINOS, Produção Executiva em Cinema e Televisão, na Fundação Getúlio Vargas e na PUCRS, concluí uma Especialização em  Cinema Expandido.
Fim da pausa e continuo comigo...
E que eu fiz, e o que estou fazendo, com todos esses tesouros guardados no cofre chamado coração?
Eles são provocadores, e se bem pausas são possíveis e necessárias, nunca as vírgulas de negação ou oposição.
Meu amor pelas artes transita por uma trilha sem retorno, mas também sem destino certo. Elas me levam e eu as sigo. Amor que continua se apresentando no meu artesanato, nas crônicas e poemas, fotografias e gravações de imagens e vozes, que registro constantemente, desde o tempo dos gravadores de rolo, fitas cassetes, fitas vídeo cassetes e daí por diante.
Dos tempos aqueles quando ser datilógrafa era ter uma profissão.
Todas as artes sempre me tocaram profundamente, por trazerem à tona  o "lado de dentro", os sussurros da alma...
mas, confesso que a poesia e o cinema são as minhas maiores paixões.

* * * * * *

Pausas e vírgulas

Contato
pausasevirgulas@gmail.com
Voltar para o conteúdo