Sônia_3º_Solidão - Pausas e vírgulas

Pausas e vírgulas
Parou?...Parou por quê?
Quem, eu..? Imagina...
Vírgula !
Pausas e vírgulas
Ir para o conteúdo
MÚSICA > 1_Participantes_Titulares > 2_Conserv_Villa_Lobos > 2_Página_Sônia > 2.2_Ano_2022 > 2.2b_Fev_2022
MÚSICA
Conservatório HEITOR VILLA LOBOS
26/02/2022
Sônia Oliveira Martins
m

Pianista e Compositora
m
* * * * * *
Suas Interpretações e Composições
Página 10
Absoluta Solidão Dolorosa
* * * * * *
Este é o relato do processo que terminou em três das minhas composições musicais.
O início é um poema do escritor argentino, Jorge Luis Borges.
Foi dedicado à sua esposa, María Kodama Schweizer.
Eis seu título e seu texto
m
Lua
Há tanta solidão nesse ouro.
A lua das noites não é a lua
que o primeiro Adão viu. Os longos séculos
da vigília humana a tem preenchido
de antigo pranto. Olha para ela. É o teu espelho.
Assumi a imagem desse, o meu espelho, e desde ele observei a Terra,
e realmente senti a absoluta solidão que a Lua carrega.
m

m
E fomos nós com a nossa constante vigília que a temos carregado como nós o estamos.
Desse sentimento surge a inspiração para a composição desta série de três.
E seus títulos levam a essa semântica que lhe outorga a sua condição de
m
m


Para ouvir clique no título ou na imagem
m
m


Para ouvir clique no título ou na imagem
Que termina num lamento, aquele, o de todos nós e que titulei assim...
m
m


Para ouvir clique no título ou na imagem
Mas, ainda na absoluta solidão e por mais dolorosa que seja a sensação, sempre há beleza...
Não acham?






< Apresentação do Conservatório                          
Pausas e vírgulas

Contato
pausasevirgulas@gmail.com
Voltar para o conteúdo